Siga nossas redes sociais

Neurociência e a Corrida

Você sabia que os hormônios interferem no nosso comportamento, mesmo quando não queremos?

Avatar photo

Publicados

em

Primeiro é importante sabermos que os hormônios são essenciais para todas as atividades biológica do corpo, inclusive no sentimento, pensamento e comportamento. Por isso, é preciso ficar atento aos sintomas de que algo não está bem no organismo como, por exemplo, fadiga, estresse, alterações de humor, insônia, dificuldade para controlar o peso são alguns sinais de que algo está em desequilíbrio.

E interessante termos ciência que algumas vezes fazemos algo que não gostaríamos de fazer por conta deste desequilíbrio.

O que são hormônios?

Os hormônios são substâncias químicas mensageiras produzidas pelas glândulas. Cada hormônio produzido pelo corpo humano tem funções específicas, seja de regular o crescimento, a vida sexual, o desenvolvimento e o equilíbrio interno.

O que é o pensamento?

Antes de responder tal questão é importante destacar o que é o pensamento e diferença dele para o que é a imaginação, a memória e a consciência. O pensamento é uma atividade intelectual produzido pela mente proveniente de atividades racionais do intelecto, pelas percepções das experiências vividas ou por abstrações provenientes da imaginação. Por sua vez a imaginação é a capacidade de combinar os pensamentos criando uma nova forma de pensar.  A memória é a forma que o pensamento fica registrado na mente frente as experiências vividas pelas pessoas. E, por fim, a consciência é a percepção do pensamento, da imaginação e da memória frente ao ambiente e comportamento adotado no momento atual.

O pensamento é então uma energia mental que auxilia a pessoa a modelar as suas experiências e percepções do mundo auxiliando na tomada de decisão para solucionar um problema ou para criar algo. O pensamento é o fio condutor que prepara a pessoa para a ação, para adotar determinado comportamento.

O que é o sentimento?

O termo sentimento é muito usado para designar uma disposição mental ou algum propósito de uma pessoa para outra. Sendo assim, os sentimentos seriam ações decorrentes de uma decisão, além das sensações físicas que são sentidas como consequência de uma emoção. Temos 05 (cinco) emoções básicas que são Medo, Amor, Raiva, Tristeza e Alegria e como processamos internamente estas emoções é o que chamamos de sentimento. Então podemos entender que os sentimentos são individuais para cada tipo de pensamento e/ou comportamento, pois podem advir de uma emoção básica individual de cada um. Por exemplo, alguém pode sentir orgulho que vem da emoção da alegria como vir da emoção da raiva.

E o comportamento?

O comportamento que será adotado pela pessoa é precedido por um pensamento e, por sua vez, o ambiente em que a pessoa está irá gerar estímulos para a formação do pensamento. Este ciclo formado por ambiente e comportamento pode ser aprofundado no modelo proposto por Robert Dilts no estudo dos níveis neurológicos que considera o processo de aprendizado do ser humano inicia em níveis mais superficiais e mais óbvios até níveis mais profundos nos quais exige-se mais autoconhecimento e desafio de conceitos que possam estar arraigados no indivíduo, que são: ambiente, comportamento, capacidade, crenças e valores, identidade e espiritualidade.

Então pode considerar o que a forma que o indivíduo de relaciona com o mundo, o seu eu interior até as crenças sobre a sua própria capacidade de se comportar perante uma situação é alicerçada pela forma que o indivíduo captou as experiências vividas em sua vida tanto nas questões racionais quanto nas emocionais que formaram e modelaram a forma dele pensar.

O que o indivíduo vê, escuta ou sente sendo embasado pelos níveis neurológicos irão determinar como ele irá registrar o momento e ensinará como que sua mente vai determinar na vida dele a forma do seu pensamento.

Nós controlamos nossos comportamentos?

Não há como afirmar com exatidão, porém por meio da Neurociência, sabe-se que os hormônios têm grande influência no comportamento, que nem sempre você age como gostaria por conta disso. Em grande parte das nossas ações, agimos de modo automático, baseando-nos em nossas emoções, e isso tem muito a ver com a interferência dos hormônios. Mas, por outro lado, o seu comportamento também influencia seus hormônios, a produção deles, a liberação. Portanto, difícil saber quem controla quem.

07 (sete) hormônios ou neurotransmissores que influenciam nossos comportamentos:

  1. Adrenalina e Noradrenalina (“O hormônio da ação”) 

Elas preparam o corpo para grandes esforços físicos, para luta ou fuga! São liberadas em grande quantidade em situações de medo, susto ou estresse. Estimulam o coração a bater mais rápido e forte, levando mais sangue a órgãos vitais, elevam a tensão arterial, contraem alguns músculos e relaxam outros, dilatam a pupila para aguçar a visão, aceleram a respiração para que haja maior captação de oxigênio, elevam a taxa de açúcar no sangue, diminuem a digestão para focar a energia do corpo (o que dá a sensação de “frio na barriga”).

Comportamento: Muitas vezes temos nosso comportamento completamente dominado pela adrenalina e noradrenalina em situações de tensão ou medo: a voz que não sai, tremores nas mãos ou no corpo, falta de capacidade de raciocinar ou de dizer o que queria dizer, atitudes impulsivas. O excesso de adrenalina também dificulta a tomada de decisões.

  •  Cortisol (“O hormônio do despertar”)

Produzido no córtex das glândulas suprarrenais, o Cortisol é “hormônio do despertar”, que nos faz acordar todas as manhãs. Ele também é considerado o “hormônio do estresse” já que tem a função básica de preparar o corpo para situações de estresse e nos ajudar a enfrentá-las.

Comportamento: Altos níveis de cortisol podem gerar sensação de impotência, baixa autoestima, irritação, sensação de “dar branco”, falta de senso de humor, cansaço  sem ter realizado esforço, ataques de gula ou falta de apetite. Hoje me dia o excesso de cortisol que pode causar transtornos como estresse, ansiedade, depressão.

  • Grelina (“O hormônio da fome”)

Conhecida como “hormônio da fome”, é produzida pelo estômago que desempenha um papel importante no metabolismo energético, participando da regulação de ingestão alimentar, peso corporal e homeostase da glicose, além de ser um hormônio orexígeno e estimular a liberação do hormônio do crescimento (GH)

Comportamento: Já percebeu que quando bate a fome muitos ficam, mesmo sem querer, irritados ou com dificuldade de concentração? Quando estamos com o estômago vazio, a Grelina logo manda nosso corpo ir atrás de comida, é mais importante do que qualquer coisa em termos de sobrevivência, pois aumenta os níveis de agressividade, diminuindo os níveis de atenção. 

  • Ocitocina (“O hormônio do amor”)

Conhecida como “hormônio do amor”, “do prazer”, do “antiestresse”. A ocitocina é liberada em situações de afeto, abraços, aumenta a libido, alivia estresse e ansiedade e melhora as habilidades sociais.

Comportamento: Sob a ação da ocitocina nos tornamos mais calmos, afetuosos e empáticos, tendemos a confiar mais nas pessoas e nos mostramos mais dispostos a ajudá-las.

  • Serotonina (“O hormônio do prazer”)

A serotonina faz parte do chamado “quarteto da felicidade”. Ou seja, endorfina, oxitocina, dopamina e serotonina. Antes de mais nada, são quatro substâncias químicas naturais que agem no organismo e nos dão sensações de alegria e bem estar.

Cada uma delas opera de maneira diferente em nosso corpo. No caso da serotonina, ela cuida da estabilidade emocional, sendo capaz de regular o humor. Portanto, dizemos que quando uma pessoa está estressada e mal humorada, o seu nível de serotonina pode estar baixo.

Comportamento: Sob a ação da serotonina regula o bom funcionamento do corpo como dormir melhor, estar mais disposto e adotar atitudes assertivas. Contudo a falta pode fazer a pessoa a sentir mais cansaço, com falta de paciência e desânimo para agir.

  • Testosterona (“O hormônio do sexo”)

Testosterona é um hormônio sexual, produzido nos testículos (nos homens) e nos ovários (nas mulheres), mas vai muito além dessa atuação. Pessoas com alto grau de testosterona aceitam correr mais riscos, têm mais autoconfiança, são mais rudes, inquietas, sorriem menos, mais impulsivas, menos pacientes para estudar, analisar ou trabalhar.

Comportamento: O excesso de testosterona pode levar a reações mais agressivas ou violentas do que se desejava, também pode gerar um exagero de autoconfiança e otimismo e dificuldade para ver as coisas como são na realidade.

  • Tireoidianos T3 e T4 (“O hormônio do metabolismo”)

Os hormônios produzidos pela Tireóide, T3 e T4, são responsáveis por regular o metabolismo corporalmanter o controle muscular, função e desenvolvimento do cérebro, coração e funções digestivas.

Comportamentos: Quando em excesso (hipertioreidismo), provocam irritação, nervosismo, ansiedade, rapidez de movimentos, hiperatividade. Quando em baixa (hipotireoidismo), provocam lentidão de movimentos e de raciocínio, depressão, dificuldades com a memória.

A neurociência é incrível e ao mesmo tempo simples, nós da Runners Brasil acreditamos que por meio dos nossos comportamentos podemos ter uma vida muito mais saudável.

Por: Carlos Campelo

Neurociência e a Corrida

10 (dez) mais 10 (dez)

Avatar photo

Publicados

em

Super dicas baseadas na neurociência que irão elevar o patamar da sua corrida:

1 – Visualização positiva: Antes da corrida, visualize-se completando a atividade com sucesso. Isso ajuda a preparar sua mente para o desafio e aumenta sua confiança.

2 – Afirmações positivas: Use afirmações positivas para reforçar sua confiança e motivação. Dizer coisas como “Eu sou forte” ou “Eu posso fazer isso” pode impactar positivamente seu estado mental. Crie seu mantra.

3 – Foco no momento presente: Mantenha-se no presente durante a atividade física, concentrando-se em sua respiração, passadas ou movimentos. Isso ajuda a evitar distrações mentais e melhora o desempenho.

4 – Respiração consciente: A respiração profunda e consciente ajuda a controlar a ansiedade e a manter o foco. Inspire pelo nariz, expire pela boca e sincronize sua respiração com seus movimentos.

5 – Música motivadora: Uma playlist energizante pode influenciar positivamente seu estado mental, aumentando sua motivação e resistência durante a corrida ou use dos sons externos como ancora para ativar sua força interior.

6 – Estabeleça metas claras: Defina metas específicas e alcançáveis para cada corrida ou treino. Isso proporciona um senso de propósito e ajuda a manter o foco. Conte sempre com ajuda de um profissional para estabelecer suas metas.

7 – Mindfulness e meditação: Praticar mindfulness e meditação pode ajudar a melhorar sua consciência corporal e a controlar pensamentos negativos, reduzindo o estresse e melhorando o desempenho.

8 – Autoconhecimento: Conheça seus limites, escute o seu corpo e respeite o seu planejamento. Isso ajuda a evitar lesões e a ajustar seu ritmo de acordo com sua condição física.

9 – Recompensas mentais: Estabeleça recompensas mentais para quando alcançar suas metas, como visualizar a sensação de realização após completar uma corrida desafiadora.

10 – Resiliência e pensamento positivo: Encare desafios como oportunidades de crescimento e desenvolvimento. Cultivar uma mentalidade positiva e resiliente pode te ajudar a superar obstáculos. Lembre-se que tudo é um aprendizado, até mesmo quando os resultados não são os esperados.

Poderíamos falar de mais algumas dicas? Sim, mas sempre é bom lembrar que é muito importante termos ao nosso lado, profissionais das mais variadas especialidades para que assim possamos obter os melhores e mais saudáveis resultados.

Baseado nisso, seguem aqui as outras 10 (dez):

1 – Sono adequado: Priorize o sono de qualidade. O descanso adequado melhora a recuperação muscular, a função cognitiva e a regulação do humor, todos essenciais para um bom desempenho físico.

2 – Alimentação balanceada: Mantenha uma dieta equilibrada, rica em nutrientes que promovam a saúde cerebral e a energia física, como ômega-3, vitaminas B e antioxidantes.

3 – Hidratação: Beba água regularmente para manter seu corpo e mente hidratados. A desidratação pode afetar negativamente o desempenho físico e cognitivo.

4 – Ativação do cérebro antes do exercício: Realize exercícios cerebrais antes do treino, como quebra-cabeças ou leitura rápida. Isso pode preparar sua mente para uma melhor concentração durante a atividade física.

5 – Música ritmada: Escolha músicas com batidas que coincidam com a frequência do seu ritmo de exercício. Isso pode melhorar a sincronização entre mente e corpo, otimizando a performance.

6 – Variedade nos treinos: Altere os tipos de exercícios regularmente. Isso mantém o cérebro engajado, evita o tédio e desafia diferentes grupos musculares.

7 – Intervalos de recuperação: Inclua intervalos de recuperação durante os treinos. Isso permite que o cérebro e os músculos se recuperem, melhorando a resistência e reduzindo o risco de lesões.

8 – Exercícios multissensoriais: Pratique atividades que envolvam vários sentidos, como treinamento funcional ou esportes em equipe. Isso estimula diferentes áreas do cérebro e melhora a coordenação.

9 – Autoconsciência durante o exercício: Preste atenção aos sinais do seu corpo e mente enquanto se exercita. Isso ajuda a evitar overtraining e a ajustar seu esforço de acordo com suas condições.

10 – Desafios cognitivos durante o exercício: Introduza desafios cognitivos durante o treino, como resolver problemas mentais ou fazer cálculos simples enquanto se movimenta. Isso aumenta a ativação cerebral e ajuda a melhorar o foco.

Lembre-se de que cada indivíduo é único, portanto, adapte essas dicas ao seu estilo de vida, preferências e necessidades. A combinação de cuidados com a mente e o corpo pode proporcionar melhorias significativas na sua atividade física.

Experimente essas dicas e adapte-as ao seu estilo pessoal para obter os melhores resultados.

Por: Carlos Campelo

Continue lendo

Neurociência e a Corrida

Eficiência e Segurança são palavras chaves para participar de um prova Trail Run

Avatar photo

Publicados

em

Durante uma prova Trail Run, o cérebro humano coordena várias funções simultaneamente para que o atleta tenha melhor desempenho com eficiência e segurança.

A seguir temos 7 (sete) funções importantes:

Percepção do ambiente: O cérebro recebe informações sensoriais dos olhos, ouvidos e outros sentidos para ajudar a entender e interpretar o ambiente ao redor. Ele analisa o terreno, a inclinação, a vegetação e outros obstáculos para ajustar sua estratégia de corrida e tomar decisões em tempo real;

    Controle motor: O cérebro coordena os movimentos musculares necessários para a corrida, enviando sinais elétricos através dos neurônios para ativar os músculos corretos. Ele monitora constantemente a postura, a técnica de corrida e o equilíbrio para garantir uma execução eficiente;

    Tomada de decisões: Durante uma corrida em trilhas, o cérebro está constantemente avaliando as informações sensoriais e tomando decisões rápidas. Ele precisa escolher o caminho mais adequado, calcular a velocidade e a força necessárias para superar obstáculos, como raízes de árvores, pedras e desníveis no terreno;

    Regulação do esforço: O cérebro monitora o nível de esforço físico e desempenha um papel na regulação da intensidade da corrida. Ele avalia os sinais de fadiga, como frequência cardíaca, respiração e sensação de cansaço, e ajusta a velocidade e o ritmo de acordo;

    Controle emocional: Durante uma corrida em trilhas desafiadoras, o cérebro também desempenha um papel importante no controle emocional. Ele pode ajudar a regular o estresse, a ansiedade e a motivação, mantendo um estado mental positivo e focado;

    Memória espacial: O cérebro usa a memória espacial para se lembrar do percurso, dos pontos de referência e da orientação geral. Isso permite que você navegue pela trilha de forma eficiente e evite se perder;

    Reação a estímulos inesperados: O cérebro está constantemente monitorando o ambiente em busca de sinais inesperados, como um galho caído ou um animal cruzando a trilha. Ele responde a esses estímulos desencadeando reações rápidas para evitar acidentes ou lesões.

    E temos uma oitava função:

    Diversão: Relaxe o cérebro, aproveite a paisagem e desfrute de momentos nos quais fará você estar mais conectado a natureza.

    Esses são apenas alguns dos muitos processos complexos que ocorrem no cérebro humano durante uma corrida em trilhas. O cérebro desempenha um papel vital na coordenação de todas essas funções para garantir uma experiência de corrida segura e eficaz.

    Por: Carlos Campelo

    Continue lendo

    Neurociência e a Corrida

    Os Benefícios da Corrida para Diferentes Faixas Etárias

    Descubra como a corrida pode ser uma atividade benéfica e transformadora em todas as idades, com dicas de treinamento específicas e histórias inspiradoras de corredores de diferentes gerações.

    Avatar photo

    Publicados

    em

    A corrida é um esporte democrático que pode ser praticado em todas as fases da vida. Desde crianças até idosos, os benefícios físicos, mentais e emocionais da corrida são inúmeros. Nesta matéria, vamos explorar os benefícios da corrida para diferentes faixas etárias e fornecer dicas de treinamento específicas para cada grupo. Além disso, compartilharemos histórias inspiradoras de corredores de diferentes idades que encontraram na corrida uma forma de superação e transformação pessoal.


    Benefícios da Corrida na Infância

    A corrida na infância traz uma série de benefícios para o desenvolvimento físico e mental das crianças. Além de promover a saúde cardiovascular, a corrida ajuda a melhorar a coordenação motora, a resistência física e a autoconfiança. É importante que as crianças pratiquem a corrida de forma lúdica e divertida, com atividades adaptadas à sua idade. Brincadeiras como jogos de perseguição, corridas de revezamento e circuitos podem ser incorporadas aos treinos. Contar histórias de corredores mirins de sucesso, como campeonatos escolares ou histórias de personagens infantis, pode servir como inspiração para eles.


    Corrida na Adolescência: Fortalecendo o Corpo e a Mente

    A adolescência é uma fase crucial, e a corrida pode ser uma atividade extremamente benéfica nesse período. Além dos benefícios físicos já mencionados, a corrida ajuda a liberar endorfina, o hormônio do bem-estar, auxiliando na regulação emocional típica dessa fase. Para os adolescentes, é importante que os treinos sejam equilibrados e respeitem o crescimento e a maturação do corpo. Incluir exercícios de fortalecimento muscular, alongamento e descanso adequado é essencial. Compartilhar histórias de jovens corredores que alcançaram metas desafiadoras ou participaram de competições relevantes pode motivá-los a buscar seus próprios objetivos.


    Corrida na Vida Adulta: Equilíbrio e Bem-Estar

    Na vida adulta, a corrida pode ser um refúgio do estresse diário e uma forma de cuidar da saúde física e mental. Além de melhorar a aptidão cardiovascular, a corrida promove a liberação de endorfinas, aliviando a tensão e melhorando o humor. Nesta fase, é importante equilibrar os treinos com outras demandas da vida, como trabalho e família. Estabelecer metas realistas, criar uma rotina de treinamento consistente e diversificar os treinos (como intervalados, longões e treinos em grupo) podem trazer mais motivação e resultados positivos. Compartilhar histórias inspiradoras de corredores adultos que conseguiram superar obstáculos e manter a paixão pela corrida ao longo dos anos pode incentivar outros corredores a seguirem em frente.


    Correndo em Idade Avançada: Saúde e Vitalidade

    Na terceira idade, a corrida pode ser uma ferramenta poderosa para manter a saúde, a vitalidade e a independência. Estudos mostram que a prática regular de corrida pode ajudar a reduzir o risco de doenças crônicas, melhorar a densidade óssea e fortalecer o sistema imunológico. É importante que os corredores mais velhos tenham acompanhamento médico e realizem avaliações regulares para garantir que estejam aptos a praticar a atividade. Treinos de menor impacto, como corridas leves e caminhadas intervaladas, são recomendados para preservar as articulações. Histórias de corredores mais velhos que continuam a correr e participar de provas podem servir como exemplos inspiradores de longevidade e vitalidade.

    A corrida é um esporte que oferece benefícios em todas as fases da vida. Desde a infância até a terceira idade, a prática da corrida promove a saúde física, a superação de desafios e a transformação pessoal. Ao adaptar os treinos às necessidades específicas de cada faixa etária, é possível colher os inúmeros benefícios que a corrida proporciona. Esperamos que as histórias inspiradoras compartilhadas nesta matéria motivem e inspirem corredores de todas as idades a alcançar seu potencial e desfrutar dos benefícios dessa atividade incrível em todas as fases da vida. Lembre-se: nunca é tarde demais para começar a correr e aproveitar os benefícios dessa prática transformadora!

    Por: Redação Runners Brasil

    Continue lendo

    Em Alta