Siga nossas redes sociais

Destaque

Pepe Fiamoncini no Guinness Book – Agora é oficial!

Avatar photo

Publicados

em

Ano passado a Revista Runners Brasil entrevistou para a capa Pepe Fiamoncini, logo após ele ter realizado uma façanha inédita.

Percorrer 170 quilômetros, cruzando o Salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo, na Bolívia, em 33 horas, ininterruptas.

Todo esforço valeu a pena! Recentemente o Livro dos Recordes homologou a travessia como sendo a pessoa mais rápida da história a cruzar o Salar do Uyuni, na Bolívia, considerado o maior e mais alto deserto de sal do mundo.

E batemos um papo com ele para saber mais sobre a importância dessa validação do Livro dos Recordes.

Revista Runners Brasil: O que representa essa validação no Guinnes?

Pepe Fiamoncini: Essa validação é um marco na minha vida como atleta. Mais que isso, foi um atestado de que todo o planjamento, treino e trabalho foi feito corretamente.

Existem regras oficiais que o Guinness Book solicita para comprovar e validar o recorde, como: depoimento de testemunhas independentes, arquivos específicos de GPS e comprovação de video e foto com uma regularidade determinada. Tive que pensar em tudo que podia dar errado, para evitar e minimizar qualquer prejuízo de invalidação. Teve muito trabalho além de “só correr”.

RRB: Quais os benefícios desta validação para o atleta?

PEPE: Não existe uma premiação ou algo do tipo. No máximo irei receber o certificado oficial “Officially Amazing” para pendurar na parede, que para mim já é o suficiente.

Meu maior prêmio foi na verdade ter mostrado ao mundo que algo inusitado, como correr 4 maratonas seguidas em um deserto, é possível.

Recebo muitas mensagem de apoio dizendo que servi de inspiração para a pessoa.

“Mudar a vida das pessoas através do esporte, esse é sem dúvida meu maior ganho”. – Pepe Fiamoncini

RRB: O que fica de apreendizado deste desafio?

PEPE: 1- Tenha um bom planejamento: minimize o que pode dar errado, pense em cada detalhe;

2- Se prepare fisicamente e mentalmente para encarar condições extremas; e

3- Sonhe grande!

É difícil planejar algo em outro país, em outra moeda, outro clima, cultura e algo que extrapola o convencional, apesar de ter pessoas que acharam que eu estava brincando quando contava sobre o que ia fazer.

RRB: Foi um sonho realizado?

PEPE: Sem dúvida! Todos meus desafios tem a vontade de um sonho. Eles nascem no pensamento, ganham força através da ardente emoção que geram e se concretizam pela ação.

Além de ter conquistado uma vitória pessoal na superação, pude ajudar o projeto Correndo Por Eles. Foram mais de 40 famílias impactadas diretamente com o projeto e centenas de outras indiretamente. Pude realizar tanto um sonho meu quanto ajudar outras pessoas a realizarem os delas.

RRB: Pretende realizar outro feito assim?

PEPE: Com certeza! Escuto muito “o Pepe faz isso” quando o assunto é desafios.

Tudo que testa o potencial máximo da capacidade humana, é uma sinal de que estarei lá. Se não me desafia, não me motiva.

Em junho deste ano pretendo voltar à Bolívia para escalar montanha e quem sabe dou uma passada no Salar do Uyuni para tentar melhorar esse tempo. Dá para tentar fazer em 24h! Bom desafio né?

RRB: E no futuro, o que podemos esperar?

PEPE: Novos desafios e novos recordes! Não posso dizer exatamente o que será, pois só abro o jogo quando tudo está alinhado para dar certo (superstição).

Quero continuar nas ultradistâncias, inovando em desafios extremos na corrida, no ciclismo e no montanhismo. Quem me acompanha nas redes sociais verá um Pepe ainda mais motivado em busca da Ultra Performance humana.

Agora nos resta esperar porque, com certeza, vem aventura boa por aí!

Quem não viu a matéria completa na REVISTA RUNNERS BRASIL
Clica – Pepe Fiamoncini

Por: Dani Christoffer

Destaque

Atletas de SC e PR conquistam o título de Rei e Rainha da Selva no Amapá

Avatar photo

Publicados

em

Mountain Do Selva Amazônica reuniu mais de 500 atletas em percursos desafiadores

A estreia do Mountain Do Selva Amazônica surpreendeu os atletas que desbravaram a
maior floresta tropical do mundo. Durante dois dias intensos, eles exploraram trilhas
desafiadoras, imergiram nos sons da natureza e se encantaram com as belezas
exuberantes da selva, vivenciando uma aventura extraordinária e inesquecível no estado
do Amapá, no Norte do Brasil.

A prova reuniu mais de 500 atletas de vinte estados brasileiros, que se desafiaram em
quatro distâncias: 63km (42km+21km) 42km (21km + 21km), 21km e 9km, na Fazenda
Globo, em Porto Grande, no sábado (08) e na Fazenda Andina, em Macapá, no domingo
(09).

Entre os participantes, 57,4% eram homens e 42,6% mulheres. Com roupas e acessórios
apropriados para correr em ambiente selvagem, eles enfrentaram igarapés – pequenos
riachos – galhos, troncos de árvores, vegetação densa e muita lama.

Os grandes campeões da primeira edição foram o catarinense Felipe Costa da Silva, de
Tubarão, e a paranaense Letícia Saltori, de Curitiba. Eles conquistaram os 42km no
sábado e os 21km no domingo, sendo coroados como o Rei e a Rainha da Selva,
completando o Desafio 63km do Mountain Do.

Para participar click no banner

“A energia da selva é incrível. A floresta mostra o poder e coloca a gente no lugar. Não
foi brincadeira não, foram dois dias desafiadores, do jeito que o corredor de trilha gosta.
Me senti muito segura o tempo todo, com muita gente nos acompanhando no percurso.
Foi uma honra estar na primeira edição do Mountain Do Selva Amazônica”, explicou
Letícia.

Felipe atribuiu à conquista ao trabalho que vem realizando e a dedicação de muitos anos,
como atleta. “Eu estou muito feliz! Que experiência sensacional o Mountain Do me
proporcionou! Corrermos em muita mata fechada, vários obstáculos, e num igarapé, teve
até uma corda para gente atravessar, por causa da correnteza. É uma prova trail bem
técnica, e lindíssima, com os dois percursos muito bem-sinalizados”, falou Felipe
comemorando o título de Rei da Selva.

Na prova de domingo, os campeões dos 9km foram os Amapaenses, Carlos André
Feitoza Leite, e Marluzia Machado. Já nos 21km masculino, o primeiro a cruzar a linha
de chegada foi Igor Ribeiro Jardim, e no feminino, Lenita de Villa

Além das trilhas: O clima desafiou os atletas
Além do percurso desafiador, o clima úmido e quente foi um grande obstáculo para os
atletas. Com sol nos dois dias e alguns intervalos com chuva, as temperaturas passaram
dos 26 graus.

“Eu aproveitei todos os postos de hidratação que teve no percurso, e confesso que me
senti um peixe, porque tudo quanto era poça, eu pulava. Fiz uma estratégia boa de
hidratação, que me manteve bem nos dois dias. Não dá para brincar com isso”, relatou
a rainha da Selva, Letícia Saltori que também já venceu as provas do Mountain Do,
etapas Costão do Santinho, em Florianópolis, Praia do Rosa (SC) e Atacama, no Chile.

As chegadas foram marcadas por lágrimas, abraços, gritos e pulos de alegria, beijos de
casais que correram juntos, e de homenagens ao Rio Grande do Sul. Janice Bonfiglio
chegou com a bandeira do estado e visivelmente emocionada.

“Foi mais um motivo para eu vir até aqui, porque levei mais de 24 horas para chegar ao
Amapá. Foi a coisa mais louca que eu já fiz na vida. Uma prova muito legal, bem difícil
como se esperava, e que valeu cada segundo essa experiência que tive na Selva”,
relatou a atleta gaúcha.

O Mountain Do é uma marca brasileira, que nasceu em Florianópolis (SC), especializada
nos desafios mais extremos pelo mundo, com edições realizadas em 12 países. Há 21
anos organizando provas em desertos, na altitude e na neve, a inédita prova para
desbravar a Floresta Amazônica surgiu a partir de um convite do governo do Amapá.
“O turismo esportivo é um dos grandes eventos que o Amapá vem realizando, e com o
Mountain Do estamos tendo a oportunidade de promover o estado em várias partes do
mundo, gerando renda para a comunidade e trazendo pessoas para conhecer nossas
belezas naturais e atrativos turísticos”, falou a Syntia Lamarão, secretária de Turismo do
Amapá.

Segundo o diretor técnico do Mountain Do, “a etapa da Floresta Amazônica foi muito
solicitada pelos europeus que já correm nossas provas. Acredito que o Mountain Do
Selva Amazônica é uma das corridas mais difíceis do mundo, por ser a maior floresta
tropical do mundo com muitos desafios pelo percurso e por ser uma sauna a céu aberto”,
completou Kiko dos Santos.


Histórias de Superação
Gisele viajou do Sul até o Norte do país para buscar um pouco mais de vida. A corredora
de 38 anos, tem apenas um pulmão, um rim, mas muitos motivos para viver, por isso
escolheu os 9km do Mountain Do Selva Amazônica.

“Eu tive câncer na infância, e há dois anos meu médico me disse que o remédio para
expandir meu pulmão que estava pequeno, era correr. Então comecei a participar das
provas do Mountain Do, e toda vez que eu termino uma, eu ganho um pouco mais de
vida”, destacou a curitibana que no ano passado correu o Mountain Do Fim do Mundo,
no Usuhaia, na Argentina.

Seu Antônio Mendes de Moraes, de 87 anos já é conhecido por muitos corredores que
fazem as provas do Mountain Do no Brasil e no exterior. Na Selva Amazônica, o
experiente atleta de Matinhos (PR) era o mais velho entre os participantes e fez o Desafio
42km, correndo uma meia maratona a cada dia. Ele coleciona mais de 200 provas, em
várias partes do mundo e chegou comemorando a aventura pela Floresta Amazônica.
“Uma prova muito difícil, mas é um percurso maravilhoso, uma paisagem espetacular.
Correr provas do Mountain Do é uma felicidade”, falou emocionado.

Cinco atletas comemoraram seus aniversários na prova. Elaine Pauly, de Curitiba (PR)
foi uma delas, e o presente veio no sábado mesmo, quando cruzou os 21km em segundo
lugar geral feminino. “Foi incrível, e ainda corri com o meu marido (Elessandro Cervilha).
Um presentão fazer mais uma etapa do Mountain Do”, contou a atleta que em agosto de

2023 foi a campeã do Mountain Do, na Argentina, repetindo o feito no Mountain Do Selva
Amazônica. Com a soma dos tempos dos dois dias, ela se consagrou campeã da categoria, no Desafio 42km.

Correr na maior Floresta Tropical do mundo
Nos dois dias, o Mountain Do teve o apoio de homens do Exército, do Corpo de
Bombeiros, da Polícia Militar e do helicóptero do GTA, o Grupo Tático Aéreo do Governo
do Amapá, que em diversos momentos sobrevoou as trilhas onde os atletas estavam, e
ainda suporte de profissionais locais altamente qualificados e habilitados para atuar em
meio à Floresta.

“O exército brasileiro estava em pontos estratégicos, dentro da mata! Não vimos
nenhuma onça (risos), mas os militares estavam ali, para espantar qualquer felino, que
por ventura, quisesse nos acompanhar. Mas ouvimos muitos sons de aves, estridentes,
encantadores que abriam nossos sorrisos e nos faziam agradecer por estar ali”, relatou
a atleta de Curitiba (PR), Ana Paula Nastari.

No domingo, na prova dos 9km, o comandante do Bope surpreendeu os atletas no
percurso, ao encarar o desafio com farda, coturno e armado. “Correr na selva sempre é
um desafio, e para um militar é encarado como um treinamento. Utilizei da perseverança,
confiança, resistência para vencer os obstáculos. Foi um desafio eficaz, e agora é pensar
em fazer na próxima, os 21km”, relatou o Major Wilkson já fazendo planos para o ano
que vem.

Além das belezas naturais da floresta, dos sons dos pássaros e de outros animais, os
corredores também destacaram o quanto o Mountain Do trouxe para o calendário trail
run, uma prova diferenciada e incomparável.

“Eu já corri no Deserto do Atacama, no Usuhaia, mas a Floresta Amazônica não tem
comparação. Espero voltar no ano que vem”, declarou Sérgio Callipo, atleta de
Pindamonhangaba (SP), campeão do Desafio 42km.

Para Alini Martini, de Caxias do Sul (RS), a prova foi muito além do que ela e o marido
esperavam. “Viemos com uma expectativa muito grande, mas me surpreendeu muito,
não imaginei que seria tanto. Correr na Selva Amazônica é surreal, e foi bem como a
gente gosta, muita trilha, pedra e lama”, descreveu a atleta 3ª colocada no Desafio 42km.


Premiação e Encerramento

A cerimônia de encerramento e de premiação foi no Trapiche Santa Inês, na Orla de
Macapá (AP). Todos os participantes receberam o desejado medalhão Mountain Do
Selva Amazônica, e os corredores do Desafio 63km e 42km foram agraciados com
troféus.

Felipe Costa da Silva, coroado Rei da Selva, e Letícia Saltori, Rainha da Selva, foram
premiados com um cheque de R$ 5 mil cada um.

Além disso, os três primeiros colocados, masculino e feminino, da prova de 21km, foram
premiados com troféus, assim como os campeões por faixa etária. Na corrida de 9km,
os cinco primeiros colocados no masculino e no feminino também receberam troféus.

Confira os resultados: https://chiptiming.com.br/resultados/
Veja os vídeos das provas no @mountain.sports
Sabine Weiler
Assessora de Imprensa Mountain Do

Continue lendo

Destaque

Corrida do Bob Esponja agita o Parque Villa Lobos, em São Paulo

Avatar photo

Publicados

em

Em parceria com a Paramount, evento esportivo para toda a família será realizado no dia 26 de outubro

O cenário das corridas em São Paulo acaba de ser enriquecido com uma atração irresistível: a Corrida Bob Esponja, em parceria com a Paramount, por meio de seu departamento de Consumer Products. O evento esportivo, pensado para toda a família, está marcado para o dia 26 de outubro, no Parque Villa-Lobos. A programação inclui uma corrida de 5km e uma caminhada de 2km. Um evento que celebra ainda, os 25 anos do personagem icônico da Nickelodeon. Prepare-se para uma experiência única e divertida!

 

Para participar, basta clicar no banner

E para os participantes, a diversão vai muito além da corrida em si. Com quatro opções de kits exclusivos – Basic, Bob Esponja, Patrick e Melhores Amigos – cada um repleto de itens surpreendentes, incluindo camisetas temáticas, números de peito e ecobags, a experiência será completa. E claro, uma medalha especial aguarda todos os corredores e caminhantes ao cruzarem a linha de chegada. 

Não podemos nos esquecer das competições, com uma categoria Elite tanto para homens quanto para mulheres, premiada com troféus do 1º ao 5º lugares. Tem ainda a categoria geral com largadas em baterias, a adrenalina está garantida. E aos que preferem uma caminhada mais tranquila, não se preocupem, a categoria de 2km recreativa oferece diversão sem competição. 

A organização é da Ponto Org Eventos, que já realizou corridas envolventes como Top Gun, Trolls, Chaves e Wally, sempre com cenários dignos de Instagram, kits especiais e medalhas que se tornam verdadeiros tesouros para colecionadores. 

Com uma legião de fãs, a famosa esponja dos Sete Mares é um dos personagens mais queridos da Nickelodeon e um verdadeiro ícone pop multiplataforma, sucesso na TV, no cinema, na internet, em eventos dos mais variados portes e setores, além de experiências e produtos licenciados vendidos em todo o mundo.


Serviço

CORRIDA DO BOB ESPONJA

Link 

Data: 26 de outubro de 2024 – domingo

Local: Parque Villa-Lobos (Av. Professo Fonseca Rodrigues, 2001 – Alto de Pinheiros, São Paulo – SP)
 

Largadas:

Elite: 7h

Geral: primeira bateria – 7h30

Caminhada: após as baterias de corrida

Valor: R$ 89,90 (Kit Básico), R$ 139,90 (Kit Bob Esponja ou Kit Patrick Estrela) e R$ 269 (Kit Melhores Amigos)

Por: Redação Runners Brasil

Continue lendo

Destaque

Hugo Farias: Um Ano de Maratonas Diárias e um Recorde Inédito

Avatar photo

Publicados

em

Hugo Farias, um determinado corredor de Americana, São Paulo, realizou um feito impressionante ao completar 366 maratonas em 366 dias consecutivos. Esta proeza notável lhe rendeu um lugar no Guinness Book como a pessoa que mais correu maratonas em dias consecutivos, destacando sua incrível resistência e força de vontade.

Uma Mudança de Vida

Com 44 anos, Hugo passou 22 anos trabalhando no setor privado, dos quais 18 foram em uma multinacional de tecnologia. No entanto, ele chegou a um ponto em sua vida onde começou a questionar o uso do seu tempo e o verdadeiro significado de sua realização pessoal. Refletindo sobre as longas horas de trabalho que não lhe traziam a satisfação desejada, Hugo decidiu que era hora de uma mudança significativa.

O Projeto de 366 Maratonas

Determinado a transformar sua vida, Hugo embarcou em um desafio sem precedentes: correr uma maratona por dia durante um ano inteiro. Essa decisão exigiu uma preparação rigorosa e uma disciplina implacável. Durante o ano de 2023, ele correu aproximadamente 15.000 km, utilizando 26 pares de tênis. Cada maratona diária foi um teste de resistência física e mental, mas Hugo manteve-se firme em seu objetivo.

Os Desafios Diários

Correr uma maratona diariamente é uma tarefa monumental. Hugo enfrentou uma série de desafios, desde o desgaste físico até os obstáculos mentais. No entanto, sua paixão pela corrida e seu compromisso com o projeto foram mais fortes. Ele acreditava que esse desafio não era apenas uma prova de suas capacidades, mas também uma mensagem inspiradora para todos que têm sonhos e metas pessoais.

Lições de Vida

Ao longo de sua jornada, Hugo aprendeu valiosas lições sobre resiliência, determinação e a importância de seguir seus sonhos. Ele deseja que sua história inspire outras pessoas a buscarem seus próprios objetivos, mostrando que é possível alcançar o impossível com dedicação e perseverança.

Futuro Promissor

Agora, com seu recorde reconhecido mundialmente, Hugo Farias planeja continuar incentivando a prática da atividade física e a busca por metas pessoais significativas. Seu exemplo é um poderoso lembrete de que, com foco e paixão, podemos superar qualquer desafio e alcançar grandes conquistas.


A história de Hugo Farias é um testemunho de coragem e determinação, inspirando corredores e entusiastas do esporte em todo o mundo a perseguirem seus sonhos e a não desistirem diante das adversidades.

Por: Redação Runners Brasil

Continue lendo

Em Alta