Siga nossas redes sociais

O "X" da questão

Não se esconda na corrida! Já ouviu falar do ESCAPISMO?

Avatar photo

Publicados

em

Muitas vezes, é visto como uma forma de se desligar temporariamente da ansiedade do estresse, dos desafios ou dos aspectos mundanos da vida humana. O termo que se refere-se à tendência ou hábito de buscar alívio do mundo real ou da rotina diária, envolvendo-se em atividades imaginativas ou entretenimento que fornecem uma realidade alternativa ou uma fuga das circunstâncias atuais.

Digamos que em certa dose é normal, inclusive em nosso podcast, recentemente recebemos a psicóloga Edwiges Parra que comentou sobre a importância do equilíbrio das atividades em nossa rotina e reforçou a importância de não “colocar os ovos na mesma cesta”. Ou seja, não direcionar todas as frustrações no escapismo e focar somente na corrida, pois se tivermos somente um “caminho” para desopilar, se este caminho se fechar, como foi o caso da pandemia, como faremos? E mais, se tivermos somente este caminho, tendemos a perder a linha e ficar “viciados” (addiction) o que também pode ter consequências negativas.

Indo além neste assunto, o termo “addiction”, que em português significa “dependência” ou “vício” que é uma condição em que o sujeito se torna fisicamente ou psicologicamente dependente de uma substância ou de um comportamento específico (neste caso nos referimos a corrida). É caracterizada por uma compulsão persistente em seguir realizando a atividade em desequilíbrio, apesar das consequências negativas associadas tendo assim, certos distúrbios de comportamento, levando o indivíduo a problemas de saúde física, psicológica, social ou ocupacional.

Note, que é comum encontrarmos na corrida de rua, alguns ex-viciados em algumas coisas em excesso no passado (álcool, drogas, trabalho, sexo ou jogos), que atualmente utilizam a corrida como forma de escapismo e acabam exagerando na dose de corrida, correndo sem parar, sem descansar adequadamente, o que pode gerar um quadro lesivo, algo bem comum encontrado em clínicas de fisioterapia por aí. Mais uma vez, reforçamos a ideia que não podemos apenas trocar uma coisa por outra e seguir realizando de forma desenfreada sem controle, e sim, buscar o equilíbrio nas atividades e em nossa vida rotineira.

Inclusive já citei sobre isso em outras colunas, que ninguém aguenta mais o viciado em corrida de rua, viciado em ritmo rápido (pace), que só fala sobre isso o tempo todo em todos os lugares (presencial e online), publica em suas redes sociais somente seus treinos, tempos e com a mesma pose, nem ao menos mostra um ponto turístico de onde passa ou um bom restaurante e cafeteria.

Quer uma dica: publique seus treinos, porém vá além e traga informações e conteúdos para ajudar mais pessoas a se tornarem ativas e aproveitarem os benefícios e o poder da atividade sistemática e regular, mostre em suas publicações onde ficam os banheiros, onde estacionar com segurança e horários de abertura dos parques e praças que treinas, veja como podemos ajudar as pessoas de maneira simples e didática usando nossa rede social.

Desenvolva seu AUTO-CONSCIENTE

Neste sentido, o escapismo também pode ser benéfico se melhor administrado, por exemplo sendo direcionado em muitas formas (ovos em mais de uma cesta), como ler livros, assistir a filmes ou programas de TV, jogar videogame, passear com amigos e familiares, cozinhar bons pratos, sair para tomar um café em um lugar bacana, mergulhar em novos ambientes, novos hobbies, outras atividades criativas diversas fora do mundo da corrida. Ainda se sente inseguro com tudo isso? Basta uma dose de humildade (sem tabus). para buscar uma consulta com um terapeuta (psicóloga e ou um psiquiatra) para alinhar as ideias e juntos encontrar o perfeito equilíbrio na vida, afinal não é a corrida que vai solucionar seus conflitos, ela pode ajudar, mas não vai resolver tudo sozinha.

Correr para fugir? Deu o que falar: Running to get “lost”? Two types of escapism in recreational running and their relations to exercise dependence and subjective well-being
Este recente artigo acima, se resume a discutir os diferentes tipos de escapismo no contexto da corrida recreativa e como eles se relacionam com a dependência de exercícios e o bem-estar subjetivo. O estudo examina duas formas de escapismo na corrida: “correr para se perder” e “correr para se encontrar”. A primeira refere-se a correr como uma forma de fugir dos problemas e desafios da vida diária, enquanto a segunda envolve correr como uma maneira de encontrar um senso de identidade, significado e satisfação pessoal.

Neste excelente trabalho, os pesquisadores exploram a relação entre esses tipos de escapismo e dois aspectos importantes: a dependência de exercícios e o bem-estar subjetivo dos corredores de rua. A dependência de exercícios é analisada em termos de comportamentos excessivos de treinamento, obsessão com exercícios e falta de controle sobre a prática da corrida, algo bem comum que vemos todos os dias em especial em redes sociais. Por outro lado, o bem-estar subjetivo se refere à avaliação subjetiva da satisfação com a vida e o nível de afeto positivo e negativo experimentado pelos corredores.

Os resultados sugerem que correr para se perder está associado a uma maior dependência de exercícios e menor bem-estar subjetivo, enquanto correr para se encontrar está relacionado a uma menor dependência de exercícios e maior bem-estar subjetivo (o que é positivo). Isso indica que a motivação por trás da corrida e o tipo de escapismo exercido podem ter efeitos diferentes nos aspectos psicológicos dos corredores.

Em resumo geral, este artigo explora as diferentes formas de escapismo na corrida (corredores amadores), suas relações com a dependência de exercícios e o bem-estar subjetivo dos corredores. Os resultados destacam a importância de entender a motivação por trás da prática da corrida e como ela pode influenciar o engajamento saudável nessa atividade física.

Se exercitar é bom demais, e tem que ser na medida certa para trazer o resultado esperado, é como tomar sol: de menos não resolve e demais queima. Infelizmente o ser humano tem muita dificuldade com equilíbrio (ainda mais agora com o advento de rede social e a alta competitividade por atenção), mas ainda assim, o equilíbrio é a melhor forma de obtermos saúde, longevidade e desenvolver nossa melhor versão na corrida, não é mesmo?

Estão estressados? Fujam para as montanhas, pois esse é o X da Questão!

Artigo na íntegra: Running to get “lost”? Two types of escapism in recreational running and their relations to exercise dependence and subjective well-being

Por: Darlan Souza

O "X" da questão

Oxigenoterapia

Avatar photo

Publicados

em

A Câmara Hiperbárica: A Revolução Tecnológica e Silenciosa na Saúde e na Performance

Oxigenoterapia
A Câmara Hiperbárica: A Revolução Tecnológica e Silenciosa na Saúde e na Performance

O foco aqui nesta publicação é trazer algumas tendências sobre algumas técnicas para fazer a completa recuperação dos corredores para “retornar ao game” e poder treinar bem!

Imagine um tratamento que pode acelerar a recuperação de lesões, melhorar a performance atlética e ainda trazer benefícios substanciais para a saúde geral. Bem-vindo ao mundo da oxigenoterapia hiperbárica (OHB), uma intervenção médica que está revolucionando a forma como atletas, especialmente corredores, cuidam de seus corpos.

A oxigenoterapia hiperbárica envolve a inalação de oxigênio puro em uma câmara pressurizada, onde a pressão é aumentada até três vezes a pressão atmosférica ao nível do mar. Esta técnica não é nova; na verdade, suas raízes remontam ao século XVII, mas foi durante a Segunda Guerra Mundial que a OHB ganhou destaque por tratar mergulhadores com doença descompressiva. Hoje, a aplicação da OHB se expandiu para inúmeras condições médicas e, mais recentemente, para a otimização do desempenho esportivo.

A câmara hiperbárica é um tratamento de oxigenoterapia em que se respira oxigênio puro a 100%, no interior de uma câmara que tem pressão 2 a 3 vezes maior do que a pressão ao nível do mar. Esse tipo de tratamento, também chamado de oxigenoterapia hiperbárica, permite que o corpo absorva mais oxigênio através dos pulmões e aumenta a circulação sanguínea. Isso pode estimular o crescimento de células saudáveis e combater o desenvolvimento de bactérias.

Para os corredores, a OHB pode ser um verdadeiro divisor de águas. Lesões musculares, tendinites e fraturas por estresse são comuns entre atletas de alto rendimento. A exposição ao oxigênio hiperbárico acelera a cicatrização de tecidos danificados, aumentando a produção de colágeno e novos vasos sanguíneos. Estudos mostram que sessões regulares de OHB podem reduzir significativamente o tempo de recuperação, permitindo que corredores voltem aos treinos mais rapidamente e com menos dor.

Mas os benefícios não param na recuperação de lesões. A OHB também pode melhorar a performance atlética. O aumento da pressão permite que mais oxigênio se dissolva no plasma sanguíneo, resultando em maior disponibilidade de oxigênio para os músculos durante o exercício. Isso se traduz em menor fadiga, maior resistência e um desempenho mais eficiente. Além disso, o oxigênio adicional ajuda a combater os radicais livres, reduzindo o estresse oxidativo que pode comprometer o rendimento físico e a performance.

A saúde geral do corredor também pode se beneficiar da oxigenoterapia hiperbárica. Condições crônicas, como o cansaço excessivo, a síndrome de overtraining, onde o corpo não consegue se recuperar adequadamente entre as sessões de treino, podem ser tratadas com sucesso com OHB. A terapia melhora a função imunológica, reduz inflamações e promove um ambiente interno mais equilibrado, facilitando a recuperação e o bem-estar geral.

Não é à toa que atletas de elite, maratonistas, jogadores de futebol até nadadores olímpicos, estão incorporando a OHB em suas rotinas de treino. A combinação de recuperação acelerada, aumento de performance e benefícios para a saúde faz da oxigenoterapia hiperbárica uma ferramenta poderosa no arsenal de qualquer corredor.

Se você está buscando aquele impulso extra para superar seus limites ou simplesmente deseja manter seu corpo em condições ideais, a oxigenoterapia hiperbárica pode ser a chave.

Consulte esta opção com seu treinador, médico e fisioterapeuta, tenha certeza que eles irão avaliar e incorporar esta estratégia dependendo do seu nível e da sua capacidade de recuperação.

Tecnologia aliada à saúde e a performance! Esse é o X da Questão! Bons treinos!

Por: Darlan Souza

Continue lendo

O "X" da questão

Pare de beber água contaminada soldado! Use o Clorin!

Avatar photo

Publicados

em

Caro camarada corredor de trail run, enquanto você se aventura pelas trilhas e paisagens desafiadoras, há algo que não pode ser negligenciado: a importância de manter-se hidratado e protegido contra riscos à saúde. Muitas vezes a acaba a água das garrafas, da mochila de hidratação, e aparece um córrego de água, e você se pergunta, devo ou não beber esta água, é seguro o suficiente?
Existem hoje disponíveis no mercado, as pastilhas de ação germicida, indicadas para tornar a água segura e potável para consumo humano em ocasiões onde haja indisponibilidade de água tratada ou falta de confiança na qualidade da água. Formulada a partir de um derivado clorado orgânico, cada pastilha torna potável de 500 ml a 1 litro de água proveniente de qualquer fonte, como poços, riachos e mananciais, sendo ideal para o uso em trilhas.


Independente se você leva sua água, acredito que é preciso ter soluções seguras para descontaminação de água, afinal se caso você se perder na trilha e acabar a água ou se você sofrer um acidente e perder sua água por algum motivo você pode captar água de algum ponto na trilha e se hidratar, e é aí que entra o Clorin, o mais famoso comprimido dos corredores de trilhas, um aliado essencial para sua jornada de corrida em trilhas.
Que fique claro, não estou aqui para fazer propaganda de ninguém, e sim estamos aqui trazer uma solução segura a todos vocês que gostam de correr em trilhas e necessitam saber mais sobre produtos e serviços eficientes para desempenhar bem e voltar seguro para casa, completando seu percurso com saúde e disposição, esse é o X da Questão!


A fórmula do Clorin, que tem como base o Dicloroisocianurato de sódio, um componente orgânico de forte ação germicida aprovado pela Organização Mundial da Saúde, foi desenvolvida pelo Laboratório Químico-Farmacêutico da Aeronáutica (RJ) no início da década de 70, justamente para atender a grande necessidade de hidratação em ambiente hostil (selva) pelas forças armadas.
Ou seja, o objetivo de tornar qualquer água de riacho, como potável e própria para consumo imediato, o intuito era garantir que os soldados em treinamento pudessem consumi-la direto da natureza sem o risco de contrair doenças e continuando seu treinamento operacional em um ambiente restrito, assim o Clorin desempenhou um papel vital ao purificar a água dos nossos soldados e atualmente, este produto está disponível para nós corredores de trilhas.
Nas trilhas, a fonte de água pode ser incerta, e a contaminação microbiológica é uma preocupação constante. Com o Clorin, você tem uma solução confiável para transformar a água local em uma fonte segura de hidratação. O atual fabricante, garante ter laudos comprobatórios de diversos órgãos brasileiros, e de que os produtos são todos registrados na ANVISA, que têm sua eficiência germicida superior e segurança atestadas e aprovadas pelos principais órgãos ligados à saúde, e isso é bom demais.


Bom, resumidamente ao adicionar um comprimido de Clorin 1mg à sua garrafa de água (que coletou em algum córrego), você está tomando medidas importantes para proteger sua saúde. O cloro presente no Clorin elimina bactérias, vírus e outros microrganismos presentes na água, reduzindo significativamente o risco de doenças transmitidas pela água.
Não subestime a importância de um suprimento de água limpa e segura durante suas corridas de trail run. A hidratação adequada é essencial para manter seu desempenho e bem-estar. Com o Clorin, você pode confiar que está consumindo água purificada, livre de agentes patogênicos que possam comprometer sua saúde e seu desempenho atlético.
Lembre-se de seguir as instruções de dosagem e tempo de espera adequados ao usar o Clorin. Dessa forma, você estará garantindo a máxima eficácia do produto e proteção para sua saúde.
Mantenha-se hidratado, cuide de si mesmo e continue a superar desafios em suas corridas de trail run. Com o Clorin ao seu lado, você terá a tranquilidade de saber que está tomando medidas proativas para manter sua saúde e bem-estar durante suas aventuras nas trilhas.
Aqui um bom resumo de como usar o produto:
O Clorin 1mg é um purificador de água que contém cloro em sua composição para tornar a água potável. Aqui está um resumo de como usar o Clorin 1mg:
Preparação: Certifique-se de deixar pronto o seu kit com o comprimido de Clorin 1mg, bem como a água que deseja purificar (que pode estar em sua garrafa ou mochila de hidratação).
Dosagem: Para cada litro de água a ser tratada, adicione um comprimido de Clorin 1mg. Se você estiver tratando uma quantidade menor de água, ajuste a dosagem proporcionalmente.
Dissolução: Coloque o comprimido de Clorin 1mg na água e espere até que se dissolva completamente. Isso geralmente leva alguns minutos (cerca de 15 minutos).
Mistura: Agite ou mexa a água após a dissolução do comprimido para garantir que o cloro se espalhe de maneira uniforme.
Tempo de espera: Deixe a água repousar por pelo menos 15 a 20 minutos após adicionar o Clorin 1mg. Durante esse período, o cloro irá agir na desinfecção, matando bactérias, vírus e outros microrganismos presentes na água.
Cheiro e sabor: Após o tempo de espera, é possível que a água tratada apresente um leve odor de cloro. Se preferir, você pode agitar novamente a água ou deixá-la em um recipiente aberto por alguns minutos para que o cheiro diminua.
Consumo: Após o tratamento, a água estará pronta para o consumo. No entanto, se você ainda notar um sabor residual de cloro, pode deixar a água descansar em um recipiente aberto por mais algum tempo, o que ajudará a reduzir esse sabor.
É importante ler e seguir as instruções fornecidas pelo fabricante do Clorin 1mg para obter melhores resultados e garantir a eficácia do produto na purificação da água. Espero que este conteúdo tenha ajudado a entender mais sobre soluções eficientes e seguras para poder aproveitar bem o que a natureza oferece (que é a corrida em trilhas) e é essencial para nossa saúde manter-se hidratado principalmente durante nossas atividades físicas regulares.
Bons treinos camaradas!

Por: Darlan Souza

Continue lendo

O "X" da questão

Iron Maiden: A Importância do Ferro para a Saúde e a Performance das Mulheres

Avatar photo

Publicados

em

O ferro, muitas vezes chamado de “o mineral da vitalidade”, é um componente essencial para o funcionamento adequado do nosso corpo, desempenhando um papel crucial na produção de hemoglobina, a substância que transporta oxigênio para as células. Para corredoras amadoras, manter níveis adequados de ferro não é apenas vital para a saúde geral, mas também para alcançar uma boa performance durante os treinos e suas provas.

Causas da Deficiência de Ferro:

A deficiência de ferro pode ser causada por diversas razões. Uma dieta pobre em alimentos ricos em ferro, como carnes magras, legumes e vegetais de folhas escuras, pode levar a um déficit desse mineral. Além disso, perdas sanguíneas frequentes, como aquelas associadas ao ciclo menstrual em mulheres, podem contribuir para a deficiência de ferro. Treinos de longo volume e intensos, contribuem para esta situação.

Alimentos Ricos em Ferro:

Incluir uma variedade de alimentos ricos em ferro na dieta é fundamental. Carne vermelha, aves, peixes, feijões, lentilhas, espinafre e cereais enriquecidos são excelentes fontes desse mineral. Combinar esses alimentos com fontes de vitamina C, como frutas cítricas ou mesmo suplementando, pode aumentar a absorção de ferro pelo organismo.

Suplementação de Sulfato Ferroso:

Em alguns casos, a suplementação de sulfato ferroso pode ser necessária para corrigir deficiências ou mesmo para prevenir possíveis perdas. Exames regulares de ferro e seus subcomponentes ajudam a monitorar para que a suplementação seja mais assertiva.

Anemia em Atletas, Especialmente Mulheres Corredoras Amadoras:

A etiologia da anemia em mulheres corredoras amadoras é multifacetada. A perda menstrual, a ingestão inadequada de ferro na dieta e as demandas aumentadas devido ao treinamento físico intenso podem contribuir para a deficiência de ferro. A falta de conscientização sobre esses fatores pode resultar em fadiga persistente e sensação de fraqueza durante as corridas.

O repouso aliada a boa nutrição contribuem para a melhora do estado de fadiga e assim é possível se obter boa performance com saúde plena tanto a curto quanto a longo prazo.

Ela está ferrada!

Que bom, esse é o X da Questão!

Fatores que Podem Interferir na Absorção de Ferro e a Relação com a Doença de Crohn:

Doença de Crohn e Inflamação Crônica:

   – A doença de Crohn, uma forma de doença inflamatória intestinal (DII), é marcada por inflamação crônica no trato gastrointestinal. Essa inflamação pode comprometer a absorção eficiente de ferro no intestino delgado, contribuindo para deficiências nutricionais, incluindo a de ferro.

Hepcidina e Regulação do Ferro:

– Pacientes com doença de Crohn podem apresentar níveis elevados de hepcidina, uma proteína que regula a absorção de ferro. O aumento da hepcidina pode reduzir a disponibilidade de ferro, exacerbando a deficiência desse mineral.

Alimentos que Interferem na Absorção de Ferro e Considerações para Doença de Crohn:

Cálcio, Polifenóis e Ácido Fítico:* Alimentos ricos nesses componentes, conhecidos por interferirem na absorção de ferro, podem exigir uma atenção especial em pacientes com doença de Crohn, dada a susceptibilidade desses indivíduos a complicações nutricionais.

Alimentos que Aumentam a Absorção de Ferro e Recomendações Específicas para Doença de Crohn:

Vitamina C, Carne e Vitamina A:* A ingestão de alimentos ricos em vitamina C, carnes (especialmente as vermelhas) e vitamina A pode ser benéfica para melhorar a absorção de ferro. No entanto, é fundamental personalizar a dieta de acordo com as necessidades e desafios específicos enfrentados por pacientes com doença de Crohn.

Fique atenta:

Se você é uma corredora amadora que experimenta fadiga constante, é crucial não ignorar esses sinais. Consulte um médico e um nutricionista capacitado para realizar exames específicos, avaliar seus níveis de ferro e receber orientações personalizadas. A consciência e o cuidado em relação à sua dieta e, se necessário, a suplementação, podem fazer uma enorme diferença em sua saúde e desempenho atlético, esse é o X da Questão!

A Donzela de Ferro não é apenas um ícone do rock, mas também uma metáfora para as mulheres se lembrar da sua força interior, esta força necessária para superar todos os obstáculos. Ao cuidar dos seus níveis de ferro, você está fortalecendo não apenas seu corpo, mas também sua jornada como corredora. Corra com força, vitalidade e persistência. Corra com saúde e boa performance.

Bons treinos!

Por: Darlan Souza

Continue lendo

Em Alta