Siga nossas redes sociais

Correr sem lesão

Entorse de tornozelo

Avatar photo

Publicados

em

Hoje vamos falar da lesão mais comum nos esportes de contato e no caso da corrida, especialmente no Trail Run e corridas de aventura, são as entorses de tornozelo.

O tornozelo é a articulação de grande mobilidade que liga o pé, pelo o osso do tálus, à perna através da parte distal da tíbia e fíbula (ossos da canela). Ele é estabilizado por uma série de ligamentos e músculos, tanto na parte de dentro quanto de fora.

Quando submetemos nosso tornozelo a um movimento brusco e imprevisto esperamos que nosso cérebro envie de forma rápida uma informação para os músculos, para que estes reajam de maneira rápida e consigam assim re estabilizar o movimento protegendo a articulação. Quando isto não ocorre temos a torção do tornozelo.

A entorses podem ser de grau I,II ou III de acordo com a extensão da lesão dos ligamentos. Como conseqüência, ainda podemos observar a fratura do quinto dedo do pé (fratura do quinto metatarso, igual o Neymar). O tempo de recuperação pode variar de 15 dias a 2 meses e na maioria das vezes é conservador (ou seja, sem cirurgia).

Geralmente a entorse vem acompanhada de edema e hematoma (tornozelo incha e fica roxo). Nestes casos, a primeira medida a se tornar é a aplicação local de gelo e uma imobilização relativa. Hoje em dia, a não ser em casos de fraturas associadas ou entorses muito graves que geram grandes instabilidades, NÃO se usa engessar ou imobilizar completamente o tornozelo. Os efeitos deletérios da imobilização podem ser piores que os da própria entorse.

As entorses podem ser tratadas e prevenidas através dos exercícios de fortalecimento de fibulares (músculos da lateral do tornozelo), dorsiflexores e músculos da sola do pé  além dos famosos exercícios de equilíbrio (propriocepção). No tratamento são usadas modalidades fisioterápicas como ultrassom, laser e mobilização do tálus. O uso de tornozeleiras ou braces é aceitável na fase inicial do tratamento, mas deve ser rapidamente retirado assim que começam os treinos de equilíbrio (propriocepção) e retorno as atividades.

A melhor estratégia para praticantes de esportes de contato e Trail Runners sempre será a prevenção. Não existem evidências que comprovam o uso da tornozeleira de maneira preventiva. Em contrapartida, existem vários trabalhos de qualidade mostrando a eficácia dos exercícios na prevenção desta que é a lesão mais comum no esporte.

Alexandre Rosa @alexandrecarlosrosa

Fisioterapeuta e maratonista

Correr sem lesão

Tudo Sobre Cãibras Musculares em Corredores de Rua

Avatar photo

Publicados

em

As cãibras são um problema frequente para muitos corredores de rua. Essa contração involuntária e dolorosa dos músculos pode ocorrer durante ou após a atividade física, causando desconforto e até interrompendo o treino. Neste artigo, vamos explorar as causas, sintomas, tratamentos e maneiras de prevenir as cãibras, ajudando você a manter sua rotina de corrida sem interrupções.

O que é Cãibra?

A cãibra é uma contração súbita e involuntária de um ou mais músculos, que geralmente causa dor intensa. Pode durar de alguns segundos a vários minutos e é comum em atividades físicas intensas, como a corrida. As cãibras podem afetar qualquer músculo, mas são mais comuns nas pernas, especialmente nas panturrilhas e nos músculos posteriores da coxa.

Sintomas de Cãibra

Os principais sintomas de uma cãibra incluem:

  • Dor Aguda: Uma dor intensa e súbita no músculo afetado.
  • Rigidez Muscular: Sensação de rigidez ou endurecimento do músculo.
  • Contração Visível: Às vezes, é possível ver ou sentir o músculo contraído sob a pele.
  • Dificuldade de Movimento: Pode ser difícil continuar a atividade física durante uma cãibra.

Causas de Cãibra

Diversos fatores podem contribuir para o desenvolvimento de cãibras, incluindo:

  • Desidratação: A falta de líquidos no corpo pode desestabilizar o equilíbrio de eletrólitos, causando cãibras.
  • Deficiência de Eletrólitos: Baixos níveis de potássio, sódio, cálcio ou magnésio podem levar a cãibras musculares.
  • Fadiga Muscular: Músculos cansados ou sobrecarregados são mais propensos a cãibras.
  • Má Circulação: A circulação inadequada do sangue pode resultar em cãibras durante o exercício.
  • Falta de Aquecimento: Iniciar a corrida sem um aquecimento adequado pode aumentar o risco de cãibras.
  • Calçado Inadequado: Usar tênis que não oferecem suporte adequado pode contribuir para o problema.

Tratamento de Cãibra

Quando uma cãibra ocorre, é importante saber como aliviar a dor e promover a recuperação:

  • Alongamento: Alongar suavemente o músculo afetado pode ajudar a aliviar a contração.
  • Massagem: Massagear o músculo pode promover o relaxamento e aliviar a dor.
  • Hidratação: Beber água ou bebidas isotônicas ajuda a repor líquidos e eletrólitos.
  • Aplicação de Calor ou Frio: Aplicar uma bolsa de gelo ou uma compressa quente pode ajudar a aliviar a dor.
  • Descanso: Dar um tempo ao músculo para se recuperar é essencial para evitar novas cãibras.

Prevenção de Cãibras

Adotar algumas práticas pode ajudar a prevenir cãibras durante a corrida:

  • Hidrate-se Adequadamente: Beba água ao longo do dia e durante a corrida para manter-se hidratado.
  • Reponha Eletrólitos: Consuma alimentos ricos em potássio, sódio, cálcio e magnésio, como bananas, água de coco e vegetais verdes.
  • Aqueça-se Antes de Correr: Realize um aquecimento adequado para preparar os músculos para o exercício.
  • Use Calçados Adequados: Escolha tênis com bom suporte e amortecimento.
  • Alongue-se Regularmente: Inclua alongamentos na sua rotina diária para manter a flexibilidade muscular.
  • Evite Sobrecarga: Aumente a intensidade e a duração dos treinos de forma gradual.

Considerações Finais

As cãibras são um incômodo comum, mas com as estratégias corretas, é possível prevenir e tratar essa condição. Manter-se hidratado, consumir uma dieta balanceada e adotar práticas de aquecimento e alongamento adequadas são passos fundamentais para evitar cãibras e garantir uma corrida mais agradável e segura.

Para mais dicas e informações sobre saúde e desempenho na corrida, continue acompanhando a Revista Runners Brasil. Seu bem-estar é a nossa prioridade!

Por: Redação Runners Brasil

Continue lendo

Correr sem lesão

Fascite Plantar em Corredores: Causas, Sintomas e Tratamentos Eficazes

Avatar photo

Publicados

em

A fascite plantar é uma das lesões mais comuns entre corredores de rua, podendo afetar tanto iniciantes quanto atletas experientes. Entender seus sintomas, causas e tratamentos é essencial para prevenir e tratar essa condição que pode ser debilitante. Neste artigo, vamos explorar todos os aspectos da fascite plantar, fornecendo informações valiosas para corredores e profissionais da área.

O que é Fascite Plantar?

A fascite plantar é uma inflamação da fáscia plantar, uma faixa de tecido conjuntivo que corre ao longo da planta do pé, desde o calcanhar até os dedos. Sua função principal é suportar o arco do pé e absorver impactos durante a caminhada e a corrida. Quando essa estrutura é sobrecarregada, podem surgir microlesões que levam à inflamação e à dor.

Sintomas da Fascite Plantar

Os sintomas da fascite plantar podem variar em intensidade, mas geralmente incluem:

  • Dor no Calcanhar: A dor é frequentemente mais intensa pela manhã, ao dar os primeiros passos, ou após longos períodos de inatividade.
  • Rigidez: Sensação de rigidez na planta do pé, especialmente ao acordar.
  • Dor ao Alongar o Pé: A dor pode se intensificar ao alongar o pé ou ao ficar na ponta dos pés.
  • Sensibilidade ao Tocar o Calcanhar: Sensação de dor ou sensibilidade ao pressionar o calcanhar.

Causas da Fascite Plantar

Diversos fatores podem contribuir para o desenvolvimento da fascite plantar, incluindo:

  • Excesso de Treino: Aumentar a intensidade ou a duração dos treinos de forma abrupta pode sobrecarregar a fáscia plantar.
  • Calçado Inadequado: Utilizar tênis com pouco suporte ou amortecimento pode agravar a condição.
  • Biomecânica Deficiente: Alterações na pisada, como pronação excessiva, podem aumentar a pressão sobre a fáscia plantar.
  • Obesidade: O excesso de peso aumenta a carga sobre os pés, contribuindo para o desenvolvimento da lesão.
  • Pé Cavo ou Pé Plano: Anormalidades no arco do pé podem predispor à fascite plantar.

Tratamento da Fascite Plantar

O tratamento da fascite plantar é multifacetado e pode incluir:

  • Repouso: Reduzir ou interromper temporariamente a atividade física para permitir a recuperação da fáscia plantar.
  • Gelo: Aplicar gelo na área afetada por 15-20 minutos, várias vezes ao dia, para reduzir a inflamação.
  • Alongamentos e Exercícios: Alongamentos específicos para a panturrilha e a fáscia plantar podem aliviar a dor e promover a cura.
  • Uso de Palmilhas: Palmilhas ortopédicas podem fornecer suporte adicional ao arco do pé.
  • Medicação: Anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) podem ser utilizados para aliviar a dor e a inflamação.
  • Fisioterapia: Sessões de fisioterapia podem incluir técnicas de liberação miofascial, ultrassom e exercícios de fortalecimento.
  • Calçado Adequado: Utilizar tênis com bom amortecimento e suporte é crucial para prevenir a reincidência da lesão.
  • Talas Noturnas: Usar talas que mantêm o pé alongado durante a noite pode ajudar a reduzir a dor matinal.

Prevenção da Fascite Plantar

Para prevenir a fascite plantar, é importante adotar algumas práticas:

  • Progrida Gradualmente: Aumente a intensidade e a duração dos treinos de forma gradual.
  • Utilize Calçados Adequados: Escolha tênis apropriados para corrida, com bom suporte e amortecimento.
  • Fortaleça os Pés: Inclua exercícios de fortalecimento para os músculos dos pés e tornozelos na sua rotina.
  • Alongue-se Regularmente: Faça alongamentos para a panturrilha e a fáscia plantar antes e depois dos treinos.
  • Controle o Peso: Manter um peso saudável reduz a pressão sobre os pés.

Considerações Finais

A fascite plantar é uma lesão comum, mas com o tratamento e a prevenção adequados, é possível continuar correndo sem dor. Se os sintomas persistirem, é importante procurar orientação de um profissional de saúde especializado. Corredores que investem no cuidado dos pés e na escolha adequada de calçados têm mais chances de evitar essa e outras lesões, mantendo-se ativos e saudáveis.

Para mais informações e dicas sobre saúde e prevenção de lesões, continue acompanhando a Revista Runners Brasil. A corrida é uma paixão que deve ser vivida com alegria e bem-estar!

Por: Redação Runners Brasil

Continue lendo

Correr sem lesão

Recupere-se Mais Rápido: O Papel dos Suplementos na Lesão Muscular

Avatar photo

Publicados

em

Machucar é algo que nenhum corredor quer que aconteça. Mas muitas vezes a lesão acontece! E o estiramento muscular é uma das lesões mais comuns no esporte em geral, especialmente em iniciantes onde a musculatura não está tão preparada ou atletas de alto rendimento, que exigem o máximo dos músculos.

Quando você se machuca, seja com uma distensão ou uma contusão, seu corpo precisa de ajuda para se recuperar, certo? Nem sempre só o que alimentamos é o suficiente. E é aí que entram os suplementos alimentares! Eles são como um “empurrãozinho” extra para o seu corpo se curar mais rápido.

Pensa comigo: quando você se machuca, seus músculos ficam danificados, precisando de muita proteína para se consertarem. As proteínas são essenciais na recuperação de lesões musculares, fornecendo os blocos de construção necessários para reparar os tecidos danificados. Suplementos de proteína, como whey protein, auxiliam nesse processo ao garantir uma ingestão suficiente de proteínas, promovendo uma recuperação mais rápida e eficaz.  

Além disso, tem uns carinhas chamados BCAAs, que são tipo os heróis dos aminoácidos. Eles ajudam na construção dos músculos e evitam que eles “derretam” demais enquanto você se recupera.

Outro membro desta liga da justiça da recuperação muscular é a Glutamina. A glutamina é uma verdadeira ajudante na recuperação de lesões musculares, ajudando a consertar os músculos danificados e fortalecer o sistema imunológico enquanto você se recupera. Quando você se machuca, a glutamina está lá para te dar uma força extra. É como um amigo que você precisa ter por perto para se recuperar mais rápido!

Ah, e não podemos esquecer das vitaminas e minerais. Eles desempenham papel vital na recuperação de lesões musculares. Nutrientes como vitamina C auxiliam na síntese de colágeno, essencial para reparar tecidos conectivos danificados. Zinco e magnésio são fundamentais para função muscular e recuperação. É crucial garantir ingestão adequada desses nutrientes para acelerar a cura e fortalecer o corpo após uma lesão.

E sabe aquela inflamação chata que acontece quando você se machuca? Os ácidos graxos ômega-3, que são encontrados em óleos de peixe, ajudam a diminuí-la, fazendo com que você se sinta melhor mais rápido. Suas propriedades anti-inflamatórias ajudam a reduzir a inflamação associada às lesões, acelerando a recuperação. Além disso, esses ácidos graxos promovem uma melhor saúde muscular, contribuindo para um processo de cicatrização mais eficaz. Incorporar suplementos ricos em ômega-3 na dieta pode ser uma estratégia valiosa para otimizar a recuperação muscular após lesões.

Um grande aliado nesta batalha contra as lesões musculares que só recente foi recrutado são os polifenois. Os polifenóis são compostos encontrados em alimentos como frutas, vegetais e chás, conhecidos por suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Na recuperação muscular, os polifenóis ajudam a reduzir o estresse oxidativo e a inflamação causados pelo exercício, promovendo a reparação dos tecidos musculares danificados durante o treinamento. Além disso, eles podem melhorar o fluxo sanguíneo para os músculos, fornecendo nutrientes essenciais para a sua recuperação. Incorporar alimentos ricos em polifenóis na dieta pode ser benéfico para atletas e pessoas que praticam atividades físicas regularmente.

Então, resumindo: É preciso fazer o tratamento necessário para se recuperar de uma lesão, seja muscular ou não. Mas os suplementos alimentares são como amigos que dão uma força extra quando você está se recuperando de uma lesão. E claro que, é sempre importante falar com um médico ou nutricionista antes de começar a tomar qualquer coisa, só pra garantir que é seguro e vai te ajudar de verdade.

Por: Alexandre Rosa

Continue lendo

Em Alta