Siga nossas redes sociais

Trail Running

Badwater – A Ultramaratona mais difícil do mundo

Avatar photo

Publicados

em

A fama desta icônica competição se justifica logo ao chegar na Badwater Basin, ponto mais baixo das Américas (-86m em relação ao nível do mar), localizado no Deserto de Mojave na Califórnia e ponto de partida para a jornada de 217km ou 135 milhas até o Portal do Mount Whitney. Com temperaturas que superam facilmente os 50° C e umidade relativa do ar frequentemente abaixo de 10%, o caldeirão está formado.

Outro fator limitante para a participação é o número de vagas disponíveis. São apenas 100 vagas, dentre elas 10 reservadas para convidados do diretor de prova e as outras 90 distribuídas entre os demais atletas, que deverão enviar seus currículos esportivos dentro dos prazos estabelecidos e depois torcerem para serem escolhidos. Existem algumas competições ao redor do mundo que aumentam suas chances, como no meu caso por exemplo, nas minhas duas participações (2009 e 2016), obtive bons resultados na Brazil 135, ultramaratona coirmã da Badwater e com isso, garanti minha vaga.

Após receber o convite, temos apenas alguns dias para efetuar o pagamento da inscrição e iniciar a organização para a viagem.

Cada atleta, de forma obrigatória deve possuir pelo menos um carro de apoio e duas pessoas em seu suporte. Existe ainda as reservas de passagens aéreas, hotéis e o restante da parte logística. Além disso, não podemos esquecer o principal: treinar firme para concluir o desafio!

Foto: Arquivo pessoal Raphael Bonatto

Montei um ciclo de 5 meses ou 20 semanas para a prova. Dentro do planejamento existiam treinamentos em altas temperaturas, até mesmo dentro de saunas para acostumar o corpo ao calor extremo, correr agasalhado no momento mais quente do dia, rodagens de alto volume, treinamento de força, entre outras estratégias.

Em 2009, considero que cheguei muito bem preparado para a competição. Já em 2016, infelizmente sofri uma lesão durante o ciclo e larguei apenas para cumprir tabela, desistindo no Km 70. Por isso vou focar em 2009, ano no qual conquistei o Buckle, fivela de honra para os atletas mais rápidos (sub 48h). Dois grandes amigos brasileiros resolveram que seriam meus apoios e o melhor de tudo, pagariam suas despesas do próprio bolso.

A Badwater além de um desafio físico e metal, também é um desafio econômico. Desta forma, já no início fiquei mais tranquilo, seria um grande custo a menos. Realizei o ciclo de treinos com maestria e embarquei para Las Vegas.

Foram 4 dias de adaptação por lá e depois rumo ao deserto. Mais 2 dias e estava preparado para a largada, que aconteceria em ondas. Estava posicionado na onda intermediária, que largaria as 8h da manhã, sob um calor já acima dos 50 graus. Tudo pronto, carro equipado, estratégia elaborada, lá fomos nós, rumo ao Mount Whitney.

Foto: Arquivo pessoal Raphael Bonatto

Comecei tranquilo e seguindo a estratégia de correr 2Km moderados intercalando com 1km de caminhada. Fui muito bem até o Km 72, estava entre os primeiros colocados, quando de repente meu corpo literalmente “ferveu”. Numa parada para hidratação, sentia meus batimentos cardíacos muito altos e o corpo quente demais. Ali o deserto começava a cobrar sua fatura. Em resumo, estava entrando em hipertermia, situação extremamente perigosa e que pode levar uma pessoa a morte. Resolvemos que ficaríamos naquele local até o corpo estabilizar, o que demorou mais de 6h. Com isso podia observar os outros atletas passando e não podia fazer nada. Assim que a frequência cardíaca estabilizou voltamos à pista.

A temperatura começou a cair e voltei a correr bem. Foi assim por toda a madrugada e ao amanhecer cheguei em Panamint Springs, ponto de controle situado no km 144.

O sol começou a esquentar novamente, porém desta vez não dei chance pro azar. Havia comprado uma roupa tecnológica que as pessoas utilizam naquela região para se protegerem do calor. Era uma calça e uma jaqueta branca super leve, que ao serem molhadas refrescavam o corpo e secavam rapidamente. Aquilo era um oásis para o corpo.

Feita a troca de roupa, segui meu caminho, já cansado, acabava de passar das 24h correndo. Traçava mini metas e no meio da tarde atingi a marca das 100 milhas ou 160km. Agora faltaria “apenas” 57km para a chegada. Passo a passo íamos vencendo os quilômetros, porém não contava com uma última surpresa.

Ao se aproximar da chegada, os últimos 6Km são uma subida insana. Já era noite e nos aproximávamos de Lone Pine, última cidade antes do ataque final. Fomos abordados pela polícia que avisava do perigo de ataque de ursos, pois estava ocorrendo um incêndio florestal justamente em nossa rota. Pediram atenção redobrada e nos avisaram que a chegada seria realizada um pouco antes do Portal do Mount Whitney.

Seguimos calmamente, subindo e avaliando os riscos, porém uma velocidade um pouco menor. Comecei a ficar nervoso, pois sabia que para conquistar o Buckle precisava finalizar a prova abaixo das 48 horas.

Olhava o relógio e fazia as contas, estava no limite do tempo, não poderiam haver mais nenhum tipo de imprevistos. Contava com minha equipe de apoio para ir mapeando e iluminando meu caminho, além de manter o carro com som mais alto, visando espantar os animais que porventura chegassem mais perto. Esta foi uma dica da polícia e achei super válida. Foi então que observei a linha de chegada, montada de forma provisória e segurada por dois membros da organização, de maneira muito simplória, mas que significava muito pra mim, afinal de contas eu acabara de me tornar um dos poucos brasileiros que possuem a fivela de honra de uma das competições mais importantes do mundo das ultramaratonas!

Por: Professor Especialista Raphael Bonatto CREF 007860-G/PR

Treinador Go On Outdoor Assessoria Esportiva

Trail Running

Como Prevenir e Tratar Lesões Comuns no Trail Running

Avatar photo

Publicados

em

O trail running, devido à sua natureza desafiadora e terrenos irregulares, pode aumentar o risco de lesões. Conhecer as lesões mais comuns e como preveni-las e tratá-las pode ajudar a manter-se saudável e ativo nas trilhas.

Lesões Comuns no Trail Running

  1. Entorses de Tornozelo: Uma das lesões mais frequentes, causada por pisar em terrenos irregulares.
  2. Fascite Plantar: Inflamação da fáscia plantar, geralmente resultante de sobrecarga ou calçados inadequados.
  3. Síndrome da Banda Iliotibial (ITBS): Dor ao longo da parte externa do joelho, comum em corredores de longa distância.
  4. Canelite: Dor na parte frontal da canela, muitas vezes causada por aumento rápido da intensidade ou volume de treino.

Prevenção de Lesões

  1. Fortalecimento Muscular: Realize exercícios de fortalecimento para os músculos estabilizadores, quadríceps, panturrilhas e core. O fortalecimento dos tornozelos também é crucial.
  2. Aquecimento e Alongamento: Sempre aqueça antes dos treinos e faça alongamentos dinâmicos. Após a corrida, realize alongamentos estáticos para melhorar a flexibilidade.
  3. Calçados Adequados: Use tênis de trail running com bom suporte e tração. Substitua os calçados regularmente para evitar desgaste excessivo.
  4. Treinamento Progresso: Aumente a intensidade e o volume de treino gradualmente para permitir que seu corpo se adapte às novas demandas.

Tratamento de Lesões

  1. Descanso: Descanse a área lesionada para evitar agravamento. O descanso é essencial para a recuperação.
  2. Gelo: Aplique gelo nas áreas doloridas para reduzir a inflamação e a dor. Utilize compressas de gelo por 15-20 minutos várias vezes ao dia.
  3. Compressão e Elevação: Use bandagens de compressão para reduzir o inchaço e eleve a área lesionada para diminuir a inflamação.
  4. Fisioterapia: Consulte um fisioterapeuta especializado em esportes para tratamento específico e orientação sobre exercícios de reabilitação.

Conclusão

A prevenção e o tratamento adequados das lesões são fundamentais para uma prática segura e sustentável do trail running. Implementar estratégias de fortalecimento, alongamento e o uso de calçados adequados pode reduzir significativamente o risco de lesões. Para mais dicas e informações, continue acompanhando a Runners Brasil.

Por: Redação Runners Brasil

Continue lendo

Trail Running

Guia Completo para Iniciantes no Trail Running

Avatar photo

Publicados

em

Se aventurar pelas trilhas e montanhas, sentir a conexão com a natureza e desafiar os limites físicos e mentais. Essa é a essência do Trail Running, uma modalidade de corrida que vem conquistando cada vez mais adeptos em busca de experiências únicas e desafiadoras. Para os corredores iniciantes que desejam explorar esse universo emocionante, é essencial estar bem preparado e conhecer os fundamentos básicos do Trail Running. Neste guia completo, vamos abordar desde a escolha do tênis ideal até dicas de nutrição, segurança, treinamento e sustentabilidade, proporcionando um roteiro completo para os novatos que desejam se aventurar nas trilhas com segurança, conhecimento e paixão pela corrida. Prepare-se para embarcar nessa jornada emocionante e descobrir um novo mundo de possibilidades no Trail Running.

1. Escolha do Tênis Ideal: Descubra qual o melhor tipo de tênis para iniciar no Trail Running e como adaptar o calçado de corrida de rua para as trilhas.

2. Equipamentos Essenciais: Conheça os equipamentos indispensáveis para a prática do Trail Running, como coletes de hidratação e mochilas, além de dicas sobre o que levar nas corridas.

3. Nutrição e Hidratação: Saiba como se alimentar e se hidratar adequadamente durante os treinos e provas de Trail Running, incluindo a importância de suplementos e gel de carboidrato.

4. Distâncias Recomendadas: Descubra qual a melhor distância para começar a treinar e participar de provas de Trail Running, levando em consideração a elevação do terreno.

5. Segurança e Primeiros Socorros: Entenda a importância de ter um kit de primeiros socorros durante as corridas, com itens essenciais para lidar com possíveis imprevistos.

6. Treinamento Específico: Conheça dicas de treinamento específicas para o Trail Running, incluindo como se preparar para terrenos variados e ganhos de elevação.

7. Sustentabilidade e Preservação: Saiba como contribuir para a preservação do meio ambiente durante suas corridas de Trail Running, incluindo o uso de copos reutilizáveis.

8. Compartilhando Experiências: Descubra a importância de trocar experiências com outros corredores de Trail Running e como isso pode enriquecer sua prática esportiva.

9. Planejamento de Treinos: Aprenda a planejar seus treinos de forma eficiente, considerando a progressão gradual e a importância do descanso na rotina de um corredor de Trail Running.

10. Motivação e Superando Desafios: Encontre dicas para manter a motivação e superar os desafios que surgem ao longo da jornada como corredor de Trail Running.

Por: Redação Runners Brasil

Continue lendo

Trail Running

Trail Running na Evolution: Desafios e Cuidados em Temperaturas Extremas

Avatar photo

Publicados

em

Neste final de semana, o Parque Nacional de Itatiaia será palco da Evolution, uma das provas de Trail running mais aguardadas do ano. Conhecida por seu percurso desafiador e paisagens deslumbrantes, a competição deste ano apresenta um desafio extra: temperaturas extremamente baixas, chegando a -8°C nos últimos dias.

Desafios das Temperaturas Negativas

Correr em condições de frio extremo requer atenção redobrada. O frio intenso pode impactar significativamente o desempenho e a segurança dos atletas. A hipotermia, a perda de sensibilidade nas extremidades e o risco de lesões são preocupações reais. Portanto, é crucial que os corredores estejam bem-preparados para enfrentar essas condições adversas.

Equipamentos Essenciais para o Frio

  1. Vestimenta Adequada: A escolha da roupa certa é fundamental. Utilize camadas de roupas para reter o calor corporal. A primeira camada deve ser feita de material que absorva o suor, a segunda deve isolar o calor e a terceira deve ser impermeável para proteger contra o vento e a neve.
  2. Protetores de Extremidades: As extremidades do corpo, como mãos, pés e cabeça, são mais suscetíveis ao frio. Use luvas térmicas, meias grossas e gorros para evitar a perda de calor. Protetores de pescoço e máscaras faciais também são recomendados para proteger o rosto e o pescoço.
  3. Calçados Apropriados: Utilize tênis de trail running com boa tração e impermeabilidade para garantir aderência e proteção contra a umidade e o frio.
  4. Óculos de Sol e Protetor Solar: Mesmo em temperaturas baixas, a radiação UV pode ser intensa, especialmente em altitudes elevadas. Óculos de sol e protetor solar são essenciais para proteger os olhos e a pele.

Equipamento de Primeiros Socorros

Em condições extremas, o equipamento de primeiros socorros torna-se ainda mais vital. Certifique-se de incluir:

  • Cobertor térmico: Essencial para casos de hipotermia, ajuda a manter o corpo aquecido até a chegada de socorro.
  • Aquecedores de mão e pé: Pequenos pacotes que geram calor podem ser a diferença entre conforto e perigo.
  • Bandagens e curativos: Para tratar pequenas lesões e evitar infecções.
  • Lanche energético e água: Manter-se hidratado e nutrido é crucial para o desempenho e a saúde.

Dicas Adicionais para Correr no Frio

  1. Aquecimento Adequado: Antes de iniciar a corrida, faça um aquecimento completo para preparar os músculos e evitar lesões.
  2. Hidratação Constante: Mesmo no frio, o corpo perde líquidos. Beba água regularmente.
  3. Ritmo Constante: Em temperaturas extremas, é importante manter um ritmo constante para evitar picos de exaustão.
  4. Conheça seus Limites: Esteja atento aos sinais do seu corpo. Se sentir muito frio ou exausto, considere reduzir o ritmo ou até parar para garantir sua segurança.

A Evolution no Parque Nacional de Itatiaia promete ser uma prova emocionante e desafiadora. As baixas temperaturas adicionam um nível extra de dificuldade, exigindo dos corredores uma preparação minuciosa e cuidados redobrados. Com o equipamento certo e atenção aos sinais do corpo, é possível enfrentar o frio e aproveitar ao máximo essa experiência única de Trail running.

Boa sorte a todos os participantes! Que a corrida seja segura e cheia de conquistas.

Por: Pablo Mateus

Continue lendo

Em Alta