Dor miofascial e trigger point

gluteus-minimus-muscleimages (6)
Todo corredor tem, ou já teve um dia algum sintoma da dor miofascial. A origem do termo miofascial vem de mios = músculo, fáscia é  tecido conjuntivo que envolve o músculo ligando o ao tendão. Todo tipo de alteração neste componente capaz de gerar dor é chamada de dor miofascial.
A principal manifestação da dor miofascial é o trigger point ou ponto gatilho. Os pontos-gatilho são definidos como nódulos palpáveis presentes numa faixa tensa localizada no músculo que, espontaneamente ou à pressão, produzem um padrão de dor referida reconhecida pelo paciente que muitas vezes podem mimetiza patologias ortopédicas clássicas .
A fisiopatologia da formação dos ponto-gatilho (PG) ainda não está bem esclarecida, existindo, portanto, várias teorias que tentam explicar tal processo. Porém a teoria mais aceita seria a de que um agente lesivo levaria a uma irritação do sarcolema (uma membrana interna do músculo) que liberaria cálcio causando uma contração muscular constante que por sua vez seria responsável por uma crise de energia levando a liberação de substâncias dolorosas. Condições lesivas como macrotraumas, microtraumas, isquemia, inflamação, sobrecarga funcional, estresse emocional, disfunções endócrinas, deficiências nutricionais e infecções crônicas são consideradas predisponentes para o aparecimento dos ponto gatilho.
Os principais PG que mimetizam lesões tipicas da corrida são:
– Vasto lateral – sindrome de frição do tracto iliotibial
– Glúteo mínimo – ciática
– Sóleo – Tendinopatia de aquiles
Existem várias formas de tratamento da dor miofascial e dos trigger points, a principal dela é a terapia de liberação miofascial, que consiste em um tipo de massagem onde achamos o ponto gatilho e mantemos uma pressão de aproximadamente 4 kilos (que corresponde a pressão suficiente para a ponta da unha ficar branca) por um período de 60 a 90 segundos.
Outras formas são o dry needling, a terapia instrumental assistida e a onde de choque extracorporal.
Screenshot_20171022-224558.png

Alexandre Carlos Rosa

Fisioterapeuta, professor e maratonista

Instagram: @alexandrecarlosrosa

Colunistas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s