Equilíbrio e fortalecimento muscular

vista-lateral-conceito-de-musculacao-com-homem-em-camiseta_23-2147675181

Quando maior o volume e intensidade de treinamento maior é a exigência da musculatura na corrida. É função da musculatura esquelética não só movimentar os segmentos corporais bem como estabilizar as articulações, principalmente durante a fase de apoio.

Comeford e Mottran (2001) falam em musculatura mobilizadora e estabilizadora. Músculos mobilizadores seriam músculos maiores, bi-articulares, tipicamente fásico com boa alavancagem para gerar movimento. Músculos estabilizadores seriam mono articulares, estariam próximos ao eixo articular, ricos em estruturas proprioceptoras e com boa alavancagem para realizar a coaptação articular tendo assim um papel importante na estabilização articular (COMEFORD e MOTTRAN, 2001). O corredor, como qualquer outro atleta, precisa destes dois tipos de musculatura atuando em equilíbrio.

Estudos eletromiográficos  mostram uma maior magnitude de sinal na corrida em relação a marcha, e da fase de apoio em relação a fase de balanço. Boa parte do ciclo da marcha e da corrida ocorre sob contração excêntrica. No quadril observa se grande atividade do glúteo médio e demais abdutores durante toda a fase de apoio, isto se deve a ação estabilização do quadril e da pelve exercida por este grupo muscular (ZACHAZEWSKI et al, 1997, p.354). O glúteo máximo e os isquiosurais contraem no apoio inicial para conter o movimento anterior do membro. No joelho observa-se grande atividade do quadríceps seja na frenagem e absorção da carga ou na extensão do joelho durante a impulsão. No tornozelo os principais músculos atuantes são o tibial anterior para evitar a pronação excessiva e o tríceps sural que atua freando o movimento de dorsiflexão e realizando a flexão plantar durante a impulsão. Alteração no padrão normal de recrutamento muscular pode gerar desalinhamento articular, sobrecarga assimétrica e eventuais lesões (DUGAN e BHAT. 2005).

O fortalecimento da musculatura é ponto fundamental para o tratamento e prevenção das lesões músculo esquelético do corredor. Existem vários métodos e propostas de fortalecimento disponíveis para o corredor. A musculação feita na academia ou locais apropriados permite um bom recrutamento da musculatura mobilizadora. Músculos como o glúteo máximo, quadríceps, isquiosurais podem ser fortalecidos com implementação gradativa de carga, número de repetições e tipo de contração. O pilates permite uma integração entre força, flexibilidade e percepção corporal. A manutenção de posturas sustentada facilita o recrutamento da musculatura estabilizadora. A técnica de estabilização central permite uma integração neuromotora e sensorial que facilita a absorção do impacto e boa distribuição de forças, diminuindo assim as forças de cisalhamento e compressão articular excessiva (FREDERICSON e MOORE, 2005) .

Independentemente de qual técnica o atleta escolha, o importante é ter a musculatura apta a desempenhar sua função. Glúteos, quadríceps e tríceps sural sendo os principais músculos recrutados ganham destaque especial no processo preventivo. Exercícios domiciliares e pré atividades tem ganho bastante importância no dia-a-dia dos corredores.

Screenshot_20171022-224558.png

Alexandre Carlos Rosa

Fisioterapeuta, professor e maratonista

Instagram: @alexandrecarlosrosa

Colunistas

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s